OGM: um compasso de espera

sexta-feira, março 17, 2006

Cientistas querem clonar embriões com óvulos de coelhos e células humanas

Um grupo de cientistas do King's College, em Londres, quer avançar com a clonagem de embriões a partir de óvulos de coelhos e ADN humano. A ideia não é criar uma nova espécie de seres vivos mas sim estudar melhor a utilização de células estaminais no tratamento de doenças genéticas.
Esses embriões só seriam utilizados no quadro da investigação sobre o desenvolvimento das células estaminais e as doenças genéticas, explicou Chris Shaw, responsável por esta equipa de cientistas.No Reino Unido, no quadro da legislação actual, não poderiam desenvolver-se para além do 14º dia e não poderiam, em caso algum, ser implantados no útero de uma mulher.«A fertilidade dos coelhos é lendária e poderá ser possível usar células humanas e transferir o núcleo dessas células para óvulos de coelho», explicou o investigador.«Legalmente, a situação não é clara, mas é uma coisa que gostaríamos de discutir com a HFEA (Autoridade para a Fertilidade Humana e a Embriologia).O professor Shaw e os seus colegas do King's College têm uma licença comum com a equipa do professor Ian Wilmut - pai da ovelha Dolly -, do Roslin Institute de Edimburgo (Escócia), para clonar embriões humanos com fins terapêuticos.Todavia a grande dificuldade dos investigadores britânicos é a falta de óvulos humanos disponíveis para estas investigações. Actualmente, só podem recorrer aos óvulos abandonados na sequência de procedimentos de fertilização in vitro.Segundo o professor Shaw, já foram realizadas experiências de mistura de ADN humano com óvulos de coelhos na China, pela equipa do professor Sheng Huizhen, da Universidade de Medicina número dois de Xangai.Essa equipa diz ter já criado mais de 100 embriões que teriam sobrevivido até à fase de blastocitos, o que corresponde ao estádio de desenvolvimento embrionário precoce (entre cinco e sete dias no homem).