OGM: um compasso de espera

quinta-feira, março 23, 2006

Um só gene controla comportamento sexual

Investigadores da Academia das Ciências da Áustria descobriram que um único gene controla todo o complexo modelo do comportamento e orientação sexuais. O estudo incidiu sobre um determinado tipo de mosquito cujo genoma é semelhante ao do ser humano.

Uma equipa de investigadores austríacos descobriu que o comportamento e orientação sexuais residem em apenas um gene, indica um estudo publicado pela revista norte-americana «Cell».
A equipa foi liderada por Barry Dickson, perito em genética das moscas de origem australiana mas que trabalha no Instituto de Biotecnologia Molecular de Viena, e Ebru Demir, autora de uma tese sobre esta matéria.
O trabalho de investigação incidiu apenas no mosquito "drosophila melanogaster", mas os cientistas julgam ter encontrado a chave de novos conhecimentos essenciais do comportamento sexual, incluindo o dos seres humanos. O mosquito em causa é um dos animais modelo da biologia e tem um genoma muito semelhante ao do ser humano.
Através de manipulações genéticas, os cientistas conseguiram provocar mudanças no comportamento sexual dos mosquitos. Os machos, que normalmente "perseguem" as fêmeas, passaram a "cortejar" outros machos, e as fêmeas, abandonando o seu comportamento passivo habitual, começaram a comportar-se como os machos.
Perante estes resultados, os investigadores acreditam que o gene solitário da orientação sexual existe em duas versões: a feminina e a masculina. A mudança de versão cria mudanças radicais de comportamento sexual, independentemente do sexo, que por sua vez geram uma reorientação total na distribuição dos papéis sociais.
Os cientistas estão convencidos de que o mesmo se pode passar com os seres humanos, e envolvendo outros tipos de comportamento, como a agressividade, a amizade e a inimizade humanas.